Ponto de coleta de mercadorias: como se torna um?

Você com acesso mensal aos conteúdos mais relevantes de logística para e-commerce e varejo

Sua loja pode ser um ponto de coleta (e ganhar com isso)

O sistema de ponto de coleta é uma tendência global para o e-commerce.

Embora dê seus primeiros passos no Brasil, ele já é amplamente utilizado - e com sucesso - na Europa e nos Estados Unidos.

Aliás, no Velho Continente, o modelo não para de crescer. 

De acordo com o portal E-commerce News, o aumento desde 2019 por lá atinge incríveis 40%. 

Hoje, são cerca de 336 mil pontos de coleta distribuídos na Europa continental e Reino Unido.

Por aqui, há players famosos se destacando, como é o caso da rede de lojas Magazine Luiza.

Mas não são apenas os grandes varejistas que podem explorar esse modelo, afinal, na ponta final dele, está o pequeno e o médio comerciante.

Para entender como fazer parte desse sistema, leia os próximos tópicos e saiba que resultados seu negócio pode ter ao se tornar um ponto de coleta, ou pick up point.

O que é um ponto de coleta?

Basicamente, ponto de coleta é todo estabelecimento comercial que conta com um espaço disponível para o recebimento, armazenamento e, posteriormente, entrega de mercadorias de lojas virtuais.

Eles também se responsabilizam por receber eventuais devoluções e mercadorias para troca, motivo pelo qual são também conhecidos como Pick Up & Drop Off Points (PUDO).

Ou seja, é possível tanto receber quanto devolver mercadorias por esse modelo, do qual estabelecimentos de todos os portes podem participar.

Ele se insere no conceito de economia compartilhada, tal como acontece no segmento de transporte (como Uber e Cabify) e hotelaria (Airbnb).

Nesse caso, o que está em jogo como um ativo valioso é o uso do espaço, destinado aqui para facilitar o tráfego de mercadorias.

Assim como outros tipos de negócio em regime de compartilhamento, o sistema de ponto de coleta também utiliza a tecnologia digital para funcionar.

Confira a seguir como isso acontece.

Como um ponto de coleta funciona

Se você já usou o aplicativo Uber, deve saber que ele depende, em essência, de um dispositivo conectado à internet para funcionar.

Nele, as viagens são todas agendadas pelo celular, no qual o passageiro ganha em rapidez e comodidade ao chamar um carro de onde ele estiver.

Quem disponibiliza o carro para servir à plataforma também ganha, já que a prestação de serviço é remunerada.

O sistema de ponto de coleta funciona mais ou menos assim, mas com vantagens adicionais para quem disponibiliza o espaço para entregas e devoluções.

Afinal, diferentemente do Uber, o dono do local não terá custos significativos com a manutenção, tampouco com combustíveis e peças.

Ele se cadastra em um site que fará a intermediação entre os e-commerces e os clientes finais, desde que atenda a certos pré-requisitos.

A partir disso, controla os recebimentos e entregas online, prestando contas para as empresas de delivery e recebendo as devidas comissões pelo compartilhamento do espaço.

É tudo muito simples, prático e acessível, permitindo a lojas físicas de pequeno porte atrair clientes e realizar vendas adicionais.

Por que ser um ponto para coleta de mercadorias

Ser um ponto de coleta de mercadorias, para quem tem um estabelecimento físico, pode ser um negócio bastante rentável.

Primeiramente, pelo aproveitamento de espaços que, de outra forma, permaneceriam ociosos.

Embora exista um trabalho envolvido em receber e entregar as mercadorias, ele não chega a ser um problema e, na maioria dos casos, é totalmente possível conciliar com outras atividades.

Dessa maneira, você pode aproveitar aquela que talvez seja uma das maiores vantagens em ser um ponto de coleta: o fluxo de pessoas.

Você receberá em seu estabelecimento potenciais compradores que não estariam ali se não fosse para receber suas encomendas.

Isso gera mais oportunidades de negócio e, em consequência, aumenta o giro de produtos, elevando suas receitas a um custo quase zero.

Exemplos de pontos de coleta

Certamente, o sistema PUDO é vantajoso não apenas para o lojista, que recebe e entrega mercadorias, mas também para o consumidor.

Ao preferir receber produtos dessa forma, ele ganha tempo, podendo retirar mercadorias quando e onde achar melhor.

Nem precisamos ir muito longe para concluir que o cliente satisfeito tende a gastar mais. 

É onde o seu negócio pode se dar bem, já que é você que estará diante de um consumidor em potencial.

Por essa e outras razões, grandes e-commerces e empresas dedicadas exclusivamente a explorar esse modelo vêm se expandindo no mercado.

A seguir, conheça duas delas, alguns detalhes de suas operações e de que forma elas estão revolucionando a logística do varejo online.

Mercado Livre

Maior portal de comércio eletrônico da América Latina, o Mercado Livre registra hoje cerca de 76 milhões de usuários cadastrados.

Ele está presente em 18 países, embora o Brasil concentre aproximadamente metade do seu lucro, estimado em mais de R$ 610 milhões.

Tamanha demanda levou seus líderes a investir no sistema de pontos de coleta, pelo qual estabelecimentos comerciais podem intermediar a entrega de encomendas.

Para isso, é preciso que o ponto seja efetivamente um local destinado ao comércio. 

O Mercado Livre não faz parceria com residências ou com pontos exclusivamente destinados a receber as mercadorias.

Uma vez cadastrado, o ponto de coleta passa a receber os produtos encomendados, recebendo por isso valores entre R$ 0,50 e R$ 0,60 por entrega.

Pode parecer que não compensa mas lembre que estamos lidando com uma empresa que conta com 76 milhões de compradores.

Pegaki

Sem exagero, a Pegaki está construindo um novo jeito de fazer logística no Brasil.

Isso porque ela oferece um tipo de serviço que, hoje, somente as grandes redes varejistas e portais de e-commerces conseguem estruturar.

A Pegaki não vende mercadorias, dedicando-se única e exclusivamente a conectar transportadoras, centros de distribuição, embarcadores e pontos de coleta.

Por meio da tecnologia, ela elimina boa parte dos custos logísticos, principalmente os de frete.

O sistema de funcionamento é bastante parecido com o da plataforma do Mercado Livre, com poucas diferenças em relação aos critérios para ser parceiro.

Como vimos, uma das vantagens é não precisar fazer nenhum tipo de investimento para se tornar um ponto de coleta cadastrado.

Outra vantagem é que o software de controle não precisa nem mesmo ser instalado, já que ele funciona na nuvem.

Ao se tornar um parceiro Pegaki, você recebe uma taxa por coleta ou retirada e vê seu fluxo de clientes aumentar na loja.

Como transformar sua loja em um ponto de coleta

Depois de conhecer detalhes sobre o modelo, é bastante provável que você tenha se interessado em transformar seu estabelecimento em um ponto de coleta.

De fato, com tantas facilidades e vantagens, fica difícil resistir à ideia de aumentar os lucros explorando as oportunidades que o modelo oferece.

Vamos ver, então, como fazer isso?

Calcule o espaço disponível

O primeiro passo antes de cadastrar sua loja como ponto de coleta é avaliar o espaço que ela tem disponível.

Para ser um ponto Pegaki, por exemplo, é exigido que o local tenha no mínimo 2 metros quadrados de espaço utilizável.

Também é exigido que a loja funcione de segunda a sexta, em horário comercial, sem fechar para almoço.

Outra exigência em relação ao espaço é que o acesso à loja seja direto, fora de galerias comerciais ou dentro de prédios ou condomínios.

Cadastre-se em uma plataforma 

Uma vez que o estabelecimento atenda aos critérios da plataforma ou do e-commerce parceiro, precisará se cadastrar na plataforma para gestão das entregas.

No caso da Pegaki, ela trabalha com uma plataforma própria e o acesso pode ser feito por computador, tablet ou celular, bastando apenas uma conexão com a internet ativa.

Receba e entregue produtos 

Feito o cadastro, é hora de finalmente começar a receber e entregar os produtos encomendados pelos clientes dos e-commerces.

Para isso, não deixe de acompanhar o andamento das entregas junto às transportadoras e às lojas que fazem a venda pela internet.

No caso de haver dúvidas ou problemas com as encomendas, as plataformas disponibilizam serviços de atendimento ao ponto de coleta por telefone, email ou FAQ.

Outro aspecto importante a ser destacado é que os produtos que sua loja vier a receber são protegidos por apólices de seguro.

Logo, se você for assaltado, não terá que se preocupar com eventuais ressarcimentos, já que as mercadorias estarão cobertas.

Você fica tranquilo e o cliente final também, já que é garantida a entrega de um novo produto.

Seja ponto de retirada e coleta

Embora seja vantajoso trabalhar diretamente com grandes portais, como o Mercado Livre, uma plataforma dedicada exclusivamente às parcerias com pontos de coleta é ainda mais lucrativa.

Nesse caso, a abrangência é maior, já que você poderá trabalhar com mais e-commerces, além de poder funcionar para retirada, troca e devolução.

Você também pode se cadastrar como ponto de coleta Pegaki, garantindo assim uma renda extra e aproveitando o espaço ocioso na loja.

Dependendo do volume de entregas que fizer, é possível faturar bem. 

Há parceiros que chegam a lucrar mais de R$ 10 mil mensais só como ponto de coleta.

Embora não seja garantido para todos, se estiver bem localizado, é perfeitamente possível registrar um bom lucro sendo nosso parceiro.

Então, o que está esperando para ser um ponto de coleta Pegaki?

Cadastre-se online e aproveite essa oportunidade!


Você com acesso mensal aos conteúdos mais relevantes de logística para e-commerce e varejo