Melhores marketplaces: descubra onde vender mais

Você com acesso mensal aos conteúdos mais relevantes de logística para e-commerce e varejo

15 melhores marketplaces para vender seus produtos no Brasil

Contar com os melhores marketplaces do Brasil para vender é sem dúvida um trunfo para quem trabalha no lucrativo segmento do e-commerce ou está ingressando nesse mundo.

Nunca é demais lembrar da performance desse setor que, em nosso país, cresce vertiginosamente.

Só no primeiro semestre de 2021, foi registrado um faturamento recorde de R$ 53 bilhões, 31% superior ao mesmo período no ano anterior.

Porém, com todo esse crescimento, aumenta também a competitividade.

Então, para ter bons resultados, é fundamental estar muito bem preparado.

Um bom primeiro passo é conhecer as plataformas com melhor desempenho do mercado, seus recursos e outros dados de interesse.

Avance na leitura e descubra!

15 melhores marketplaces para vender

Em primeiro lugar, você precisa definir qual área do mercado pretende explorar.

Embora boa parte dos marketplaces permita vender quase todo tipo de produtos, existem aqueles que são voltados a um nicho.

É o caso da Centauro, por exemplo, focada na venda de artigos esportivos.

Outro ponto importante é que, dependendo do produto, a logística de entregas pode ser consideravelmente mais barata ou não.

Por isso, se você planeja trabalhar com uma gama de produtos mais variada, esteja preparado para lidar com pedidos de troca, devoluções e para esclarecer o público sobre as funções de cada um dos itens.

Dito isso, a próxima etapa consiste na escolha da plataforma, momento em que é preciso levar em conta aspectos como taxas cobradas e exigências legais, entre outros.

Confira os 15 melhores marketplaces:

1. Americanas (B2W)

Não se pode jamais desprezar as oportunidades oferecidas pelo marketplace mais procurado pelos consumidores do Brasil, segundo a pesquisa Ebit/Nielsen.

No marketplace das Lojas Americanas, você pode se cadastrar como lojista e vender milhares de itens disponíveis no catálogo.

Se preferir, pode ainda se cadastrar como lojista no B2W marketplace, que congrega as plataformas das Americanas, Submarino e Shoptime.

Fique atento à comissão que, no caso das Americanas, é de 16% sobre o item vendido, acrescida de uma taxa fixa de R$ 5.

2. Mercado Livre

Outro marketplace que você não pode deixar de avaliar é o do Mercado Livre, hoje o segundo maior do Brasil, com 76 milhões de usuários cadastrados.

Além de uma grande audiência, o lojista conta com tarifas e condições diferenciadas.

Aliás, o ML modificou recentemente a sua política de preços e descontos em frete, tornando-se ainda mais vantajoso para quem vende no marketplace.

Basicamente, as taxas cobradas por venda variam entre 11% e 19%, dependendo da categoria do produto.

E se a venda for acima de R$ 99 e forem comprados mais de dois produtos, o frete fica totalmente por conta do marketplace.

Não é uma boa?

3. Magazine Luiza

Por sua vez, o terceiro marketplace mais procurado pelos consumidores brasileiros trabalha com uma faixa de tarifas diferente: entre 10% a 20%, dependendo da categoria do produto.

Assim como a maioria dos marketplaces, para vender online no Magazine Luiza é preciso ter CNPJ e ser capaz de emitir notas fiscais eletrônicas.

Embora você possa definir sua própria logística de entregas (como veremos a seguir), existe a opção de utilizar a Magalu Entregas, com fretes até 15% mais em conta, segundo o site.

4. Netshoes

Com cerca de 35 milhões de acessos mensais, a Netshoes é considerada a maior plataforma de marketplace de nicho do Brasil e a maior do mundo em artigos esportivos.

Ela conta hoje com um catálogo de mais de 40 mil produtos em 25 categorias.

Vale destacar que, em 2019, a Netshoes foi comprada pela Magazine Luiza, passando desde então a vender também roupas e acessórios.

Assim como na Magalu, na Netshoes a taxa por venda pode chegar a 20% do valor do produto, e os pagamentos são realizados quinzenalmente.

5. Centauro

Embora tenha uma quantidade de acessos mensais menor que a do seu principal concorrente, a Netshoes, o marketplace da Centauro também tem suas vantagens.

Uma delas é a possibilidade de vender produtos da Nike, já que ela é a única distribuidora oficial autorizada no Brasil a vender e distribuir a marca.

A taxa cobrada é de 20% no marketplace que, em outubro de 2021, não estava aceitando inscrições de novos lojistas.

Quando não há vagas, é possível entrar em uma lista de espera.

6. Facebook

A principal vantagem de anunciar no marketplace da maior rede social do mundo é o público gigantesco que pode ser alcançado.

Afinal, são 2,8 bilhões de usuários em todo o planeta, 130 milhões de contas no Brasil.

Para começar a vender, basta criar uma página para a sua loja e começar a anunciar produtos no marketplace pela plataforma Facebook for Business.

Note que, ao criar um anúncio pago, você deverá optar por receber mensagens via WhatsApp, receber ligações ou visitantes para o site.

7. Dafiti 

Especializado no nicho de moda e lifestyle, o marketplace da Dafiti conta hoje com aproximadamente 17 milhões de acessos mensais.

Assim como a Magalu, a Dafiti também disponibiliza uma plataforma de entregas própria.

Então, se você não tiver uma infraestrutura logística, essa pode ser uma boa solução.

Por outro lado, pesam contra a Dafiti as taxas, consideravelmente salgadas para um nicho com ticket médio não muito elevado, situando-se entre 25% a 30% do valor do produto.

8. Carrefour

Já no marketplace do Carrefour, a vantagem é a taxa fixa de 14% para todos os produtos, independentemente da categoria.

Outra vantagem é ser uma das poucas marcas que oferecem um cartão de crédito próprio, aumentando ainda mais as opções de pagamento para o consumidor final.

9. Via Varejo

Assim como o B2W, a Via Varejo congrega três grandes marketplaces: Ponto Frio, Casas Bahia e supermercados Extra.

Trabalhar com lojas de grande prestígio e reputação garante, além de segurança para o lojista, um tráfego mensal volumoso – neste caso, são mais de 280 milhões de visitantes.

Igualmente atrativas são as comissões, que variam de 13,5% a 16%, dependendo da categoria do produto.

10. Madeira Madeira

O Madeira Madeira é o maior marketplace do Brasil no nicho de casa e decoração, registrando hoje cerca de 15 milhões de acessos mensais.

É possível vender produtos das seguintes categorias:

  • Ar e Ventilação
  • Banheiro
  • Cama, Mesa e Banho
  • Cozinha
  • Decoração
  • Eletroportáteis
  • Eletrodomésticos
  • Ferramentas
  • Iluminação
  • Jardinagem e Lazer
  • Móveis
  • Pisos e revestimentos
  • Portas e Janelas
  • Utilidades Domésticas.

A plataforma cobra uma comissão de 20% por venda, independentemente da categoria do produto, e os pagamentos são feitos em repasses quinzenais.

11. Shopee

O diferencial da Shopee é ser um dos poucos marketplaces que aceitam o cadastro de vendedores apenas com CPF, sem necessidade de CNPJ.

Outra vantagem bastante considerável é a taxa de apenas 12% por venda, limitada ao máximo de R$ 100.

Ou seja, se você tiver uma venda de R$ 1.000 ou R$ 10.000, não importa, a taxa paga será fixa e você não pagará mais do que R$ 100.

12. Elo7

Já no marketplace da Elo7, a comissão é cobrada conforme o tipo de anúncio do produto.

Para o tipo Clássico, o valor é de 12%, mas se for Premium, passa para 18%.

O lojista pode trabalhar na Elo7 com as seguintes categorias:

  • Acessórios
  • Aniversário e Festas
  • Bebê
  • Bijuterias
  • Bolsas e Carteiras
  • Casa
  • Casamento
  • Convites
  • Decoração
  • Doces
  • Eco
  • Infantil
  • Jogos e Brinquedos.

13. Amazon

Além da grande credibilidade da maior rede de e-commerce do mundo, o lojista que vende no marketplace da Amazon conta com tarifas vantajosas.

Ele pode, por exemplo, aderir a um plano profissional, pagando um valor fixo de R$ 19 mensais, ficando livre de pagar comissão por vendas.

Se decidir pelo plano individual, paga comissão entre 8% e 16%, dependendo da categoria do produto, mais uma tarifa fixa de R$ 2 por item vendido.

14. OLX

O grande trunfo da OLX é o tráfego de 99 milhões de usuários mensais.

Outra característica importante é que, embora seja considerado um marketplace, na prática a OLX funciona como uma grande vitrine de vendas C2C, ou seja, de pessoa física para pessoa física.

Sendo assim, não há nenhum custo ao fazer uma venda.

Por outro lado, toda a responsabilidade pela entrega e garantias fica por conta do vendedor.

15. Enjoei

Como o nome sugere, o marketplace da Enjoei tem o foco na venda de produtos usados.

A comissão de 13% é uma das mais atrativas, à qual é acrescida uma tarifa fixa, estipulada conforme o valor do produto.

E se você optar pelo seguro contra extravio, também paga uma taxa a cada venda realizada.

Como vender nos melhores marketplaces

Em geral, o processo para se cadastrar como vendedor em um marketplace é bastante parecido.

Tudo que você precisa, na maioria das plataformas, é de:

  • CNPJ ativo
  • Inscrição estadual
  • Alvará de funcionamento, dependendo do tipo de produto
  • Emitir notas fiscais (pode exigir assinatura eletrônica em alguns casos).

O pagamento pelas vendas pode ser feito diariamente, desde que haja saldo, ou, como acontece na maioria das plataformas, de 15 em 15 dias.

Pegaki entrega suas vendas em marketplaces

Fica muito mais fácil vender quando se trabalha com os melhores marketplaces do mercado.

Porém, ainda que alguns deles ofereçam plataformas próprias de entrega, nem sempre essa é a melhor alternativa, dependendo da região em que você atuar.

Nesse caso, a melhor forma de garantir entregas para todos os pontos do Brasil é aderir às soluções da Pegaki Envios.

Economize até 70% dos custos com frete e, de quebra, alcance mais clientes com o nosso sistema de pontos de coleta.

Para muitos lojistas, adotar a ideia de pontos de retirada tem resolvido a questão.

Você vende, a gente entrega e o seu cliente fica mais satisfeito.

Conheça nossa proposta e venda muito mais!


Você com acesso mensal aos conteúdos mais relevantes de logística para e-commerce e varejo